Governo de Goiás prepara ações de recuperação do Rio Meia Ponte

O Governo de Goiás iniciou, na segunda-feira (10/02), o plano de ação para a Bacia do Rio Meia Ponte 2020. A reunião entre as secretarias de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Segurança Pública (SSP), Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), Cultura (Secult), Goiás Turismo e Saneago, ficou definido um calendário para ações que visam recuperar a vegetação nativa em áreas prioritárias na localidade.

A Semad prevê o plantio de 150 mil mudas em áreas estratégicas para a recarga dos afluentes do Rio Meia Ponte até o ponto de captação de água da Saneago, próximo a Goiânia. Os trabalhos devem contar com apoio das prefeituras, Emater, Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e universidades Federal e Estadual de Goiás.

O cronograma prevê ações no Alto Meia Ponte entre fevereiro e abril, com destaque para as comemorações do Mês das Águas, em março. O grupo intersetorial prevê atividades de implementação dos projetos de recomposição da vegetação nativa em 10 municípios, plantio de mudas, monitoramento das áreas tendo em vista recompor a vegetação nativa, práticas de conservação do solo e da água, ações de educação ambiental para uso racional da água e dias de campo, com palestras informativas sobre gerenciamento e boas práticas de gestão de barragens.

Segundo a titular da Semad, Andréa Vulcanis, o plano é o início de uma rede integrada em prol da revitalização da Bacia do Rio Meia Ponte. “O Governo de Goiás age em três frentes muito importantes para o desenvolvimento sustentável da região. Em primeiro lugar, recuperar as áreas nativas trará uma maior recarga hídrica, o que influencia diretamente no abastecimento de água nos períodos de estiagem”, explica. 

“Depois, temos a educação ambiental, que mostrará para produtores rurais e os cidadãos destes 10 municípios a importância de se preservar o meio ambiente e os impactos da degradação”, diz a secretária. “O que resulta no terceiro ponto, que é a melhora na renda, na qualidade produtiva. Meio ambiente preservado e mais água disponível significam mais dinheiro, menos perda na indústria, no campo e na cidade”, destaca.

Segundo o presidente da Saneago, Ricardo Soavinski, a empresa apoia integralmente as ações previstas pelo plano. “A água que levamos para a população vem da natureza. Por isso, nosso compromisso é recuperar estas bacias e garantir o abastecimento de forma integral”, afirma. 

O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos de Souza Lima Neto, vê o plano como estratégico para o agronegócio goiano. “Estamos juntos neste projeto, contribuindo para ações que fortaleçam cada vez mais a produção de água no Estado de Goiás”, disse ele.

O diretor-geral de Administração Penitenciária, coronel Wellington Urzêda, o gerente de Produção Agropecuária e Industrial da Superintendência de Reintegração Social e Cidadania da unidade, Moacir Ferreira da Silva Júnior, presentes na reunião, discutiram a empregabilidade de mão de obra carcerária nas atividades de revitalização da bacia do Meia Ponte, por meio do plantio de mudas de espécies nativas.

O projeto prevê que os produtores rurais que se engajarem no processo de recuperação recebam capacitação e assistência técnica. “Além disso, o produtor terá prioridade na análise do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e receberá as mudas para recuperar áreas de preservação permanente, mediante termo de compromisso para apoio com insumos, mão de obra e manutenção dos plantios”, ressalta a secretária.

 

Dia Mundial da Água
O grupo intersetorial deve se encontrar com prefeitos e representantes rurais até o final do mês e a previsão para iniciar o preparo das áreas selecionadas está marcado para 10 de março. No dia 22 de março, Dia Mundial da Água, a Semad prepara atividades de conscientização e mobilização social em torno do tema.

“Queremos mostrar a importância da preservação da água, que é o bem mais precioso para a vida na Terra”, diz Andréa Vulcanis. Com o apoio da Secult e da Goiás Turismo, a data deve ser contemplada com eventos artísticos e educativos, palestras, encontros técnicos e plantios de mudas nativas do cerrado nas nascentes que abastecem o Meia Ponte.