Segurança Hídrica - Rio Meia Ponte

A Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte é a principal fornecedora de água para a Região Metropolitana de Goiânia. A porção alta desse território, localizada a montante da principal captação para abastecimento público desse centro urbano, abriga atividades industriais, agroindustriais, pecuária e uma intensa produção de hortifrutigranjeiros, o que requer um amplo processo de governança das águas. Nesse sentido, o Governo de Goiás, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, coordena esse processo, envolvendo diversos colegiados e interessados, como o Comitê de Bacia Hidrográfica do Meia Ponte (CBH-MP), os Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos e de Meio Ambiente, usuários da água, instituições de governo, representações da sociedade civil e a população em geral, objetivando a conservação ambiental e a alocação que privilegie os múltiplos usos da água. Essa é uma dinâmica continuada que envolve toda a sociedade e seus resultados são de curto, médio e longo prazos. A mobilização social, o monitoramento das vazões dos cursos de água na Bacia, a regularização continuada dos diversos usuários, o melhor conhecimento de suas demandas por água e a pactuação de acordos entre os interessados são resultados almejados nesse processo.

Monitoramento Diário dos Pontos de Controle da Vazão do Rio Meia Ponte

Atualizado em:04/10/2022 as 18:00h

Quantidade de dias sem precipitação no Alto Meia Ponte 

0 dia

Ponto de Monitoramento 2: Montante Captação do Município de Goiânia*

Vazão média do dia: 6.871 L/s

Nível de criticidade atual **

Nível Alerta

*As informações são atualizadas todos os dias as 18:00h com base na média das leituras diárias das 07:00h. e 17:00h.

** O cálculo da vazão para verificação do nível de criticidade é a média móvel obtida da vazão média diária (leituras das vazões nos horários das 07:00 e 17:00), nos últimos 7 dias. 

 

Veja os níveis de segurança:

I Nível de Atenção Vazão de escoamento menor ou igual a 12.000 L/s
II Nível de Alerta Vazão de escoamento menor ou igual a 9.000 L/s
III Nível Crítico 1 Vazão de escoamento menor ou igual a 5.500 L/s
IV Nível Crítico 2 Vazão de escoamento menor ou igual a 4.000 L/s
V Nível Crítico 3 Vazão de escoamento menor ou igual a 3.000 L/s
VI Nível Crítico 4 vazão de escoamento menor ou igual a 2.000 L/s

 

 

Nível de Criticidade

Providências

Nível de Atenção – vazão de escoamento menor ou igual a 12.000 L/s

  • Iniciar a articulação para campanha sobre uso racional da água e iniciar divulgação da situação hídrica da Bacia à sociedade e aos usuários de água (meios de comunicação e mídias sociais);
  • Iniciar reuniões com os usuários de água da Bacia, de forma articulada com as prefeituras, associações de produtores rurais e outras entidades de interesse que atuam na bacia hidrográfica;
  • Iniciar campanhas de fiscalização e orientação aos usuários de água;

Nível de Alerta – vazão de escoamento menor ou igual a 9.000 L/s

  • Ampliar a articulação para campanha sobre uso racional da água e continuar a divulgação da situação da Bacia à sociedade e usuários de água (meios de comunicação e mídias sociais);
  • Dar continuidade às reuniões com os usuários de água da Bacia, de forma articulada com as prefeituras, associações de produtores rurais e outras entidades de interesse que atuam na bacia hidrográfica;
  • Dar continuidade às campanhas de fiscalização e orientação aos usuários de água.

Nível Crítico 1 – vazão de escoamento menor ou igual a 5.500 L/s

  • Manter a vazão de captação de 2.000 L/s para o abastecimento público da Região Metropolitana de Goiânia – RMG, com a vazão a jusante do ponto de controle podendo chegar até o mínimo de 2.000 L/s;
  • Ampliar a articulação para a campanha sobre uso racional da água e continuar a divulgação da situação da Bacia à sociedade e usuários de água (meios de comunicação e mídias sociais);
  • Dar continuidade às reuniões com os usuários de água da Bacia, de forma articulada com as prefeituras, associações de produtores rurais e outras entidades de interesse que atuam na bacia hidrográfica;
  • Dar continuidade às campanhas de fiscalização e orientação aos usuários de água.

Nível Crítico 2 – vazão de escoamento menor ou igual a 4.000 L/s

  • Reduzir em 25% as vazões de captação dos usuários de águas subterrâneas, bem como dos usuários de águas superficiais que captem diretamente nos cursos d´água a montante do ponto de controle, outorgados ou dispensados de outorga (detentores de declaração de uso insignificante), para todas as finalidades de usos, exceto para abastecimento público e dessedentação animal;
  • Manter a vazão de captação de 2.000 L/s para o abastecimento público da Região Metropolitana de Goiânia – RMG, com a vazão a jusante do ponto de controle podendo chegar até o mínimo de 1.000 L/s;
  • Ampliar a articulação para campanha sobre uso racional da água e continuar a divulgação da situação da Bacia à sociedade e usuários de água (meios de comunicação e mídias sociais);
  • Dar continuidade às reuniões com os usuários de água da Bacia, de forma articulada com as prefeituras, associações de produtores rurais e outras entidades de interesse que atuam na bacia hidrográfica;
  • Dar continuidade às campanhas de fiscalização e orientação aos usuários de água;
  • A Saneamento de Goiás S/A – SANEAGO deve apresentar Plano de Racionamento de uso da água aos órgãos reguladores (AGR e ARG), conforme Resoluções nº 110/2017 AGR e 001/2019 ARG, em razão da possibilidade de redução dos volumes captados para abastecimento público da Região Metropolitana de Goiânia – RMG, e sua implementação de acordo com a necessidade operacional do sistema.

Nível Crítico 3 – vazão de escoamento menor ou igual a 3.000 L/s

  • Reduzir em 50% as vazões de captação dos usuários de águas subterrâneas, bem como dos usuários de águas superficiais que captem diretamente nos cursos d´água a montante do ponto de controle, outorgados ou dispensados de outorga (detentores de declaração de uso insignificante), para todas as finalidades de usos, exceto para abastecimento público e dessedentação animal;
  • Reduzir gradativamente a vazão de captação para o abastecimento público da RMG até 1.000 L/s, com a vazão remanescente a jusante do ponto de controle podendo chegar até o mínimo de 1.000 L/s;
  • Ampliar a articulação para campanha sobre uso racional da água e continuar a divulgação da situação da Bacia à sociedade e usuários de água (meios de comunicação e mídias sociais);
  • Dar continuidade às reuniões com os usuários de água da Bacia, de forma articulada com as prefeituras, associações de produtores rurais e outras entidades de interesse que atuam na bacia hidrográfica;
  • Dar continuidade às campanhas de fiscalização e orientação aos usuários de água.

Nível Crítico 4 – vazão de escoamento menor ou igual a 2.000 L/s

  • Manter a redução em 50% das vazões de captação dos usuários de águas subterrâneas, bem como dos usuários de águas superficiais que captem diretamente nos cursos d´água a montante do ponto de controle, outorgados ou dispensados de outorga (detentores de declaração de uso insignificante), para todas as finalidades de usos, exceto para abastecimento público e dessedentação animal;
  • Manter a vazão de captação de 1.000 L/s para o abastecimento público da Região Metropolitana de Goiânia – RMG, com consequente redução progressiva da vazão a jusante do ponto de controle, tendendo a zero;
  • Ampliar a articulação para campanha sobre uso racional da água e continuar a divulgação da situação da Bacia à sociedade e usuários de água (meios de comunicação e mídias sociais);
  • Dar continuidade às reuniões com os usuários de água da Bacia, de forma articulada com as prefeituras, associações de produtores rurais e outras entidades de interesse que atuam na bacia hidrográfica;
  • Dar continuidade às campanhas de fiscalização e orientação aos usuários de água.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.