Semad eleva o escopo de ações em esforço conjunto para combater os incêndios na Chapada dos Veadeiros

De acordo com boletim informativo atualizado nesta segunda-feira (05/10), a frente principal que avançava na área do Rio Preto está controlada, porém o fogo segue lentamente na área da serra de Santana. A secretária Andréa Vulcanis afirma que “O Governo de Goiás, por meio da pasta, está ativamente acompanhando a situação e espera que esse incêndio seja contido o mais rápido possível”


Além da atuação do Corpo de Bombeiros, o Governo de Goiás vem, por meio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) disponibilizou veículos, combustível e alimentação destinada aos brigadistas voluntários que estão combatendo os focos de incêndio que destroem milhares de hectares na Área de Proteção Ambiental (APA) de Pouso Alto, e também no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, na região Nordeste do Estado. 

Estas ações são fundamentais nesse momento de união de esforços no combate, explica a secretária Andréa Vulcanis, que lembra ainda que, além do trabalho preventivo realizado na região, no caso específico desse incêndio na região da Chapada dos Veadeiros, a pasta tem atuado também no fornecimento de insumos. 

Além de ajudar na atuação de brigadistas, homens do Corpo de Bombeiros Militar (CBMGO) e Defesa Civil, a Semad realiza desde a semana passada reuniões de alinhamento de ações com as brigadas. Um exemplo de esforço colaborativo da pasta é a entrega de mais de 30 cestas básicas para a brigada voluntária Rede Contra Fogo. Além disso, foram repassados 25 kits de higiene e limpeza e 15 cestas de hortifrúti para alimentação das equipes que seguem em campo. Mais insumos seguem ainda essa semana para as brigadas. 

Quanto ao trabalho desenvolvido pelas brigadas voluntárias, a superintendente de Unidades de Conservação e Regularização Ambiental, Verônica Theulen, avalia como fundamental para que os resultados sejam alcançados o quanto antes no combate aos incêndios. “Nós, da Semad, reconhecemos o esforço e a bravura de homens e mulheres, que encaram este desafio debaixo de um sol abrasador e no limite do fogo pela preservação da vida silvestre”, diz.

O brigadista Amilton Jose de Sá Junior reconhece o esforço das esquipes da Secretaria no combate aos focos de incêndio da Chapada dos Veadeiros. “Agradeço à Semad por essa atuação tão proativa. Juntos podemos melhorar nossas condições de trabalho”, disse ao enfatizar que fica feliz pela resposta da pasta nesse esforço conjunto. 

Outro ponto importante destacado pela secretária Andréa Vulcanis é o engajamento da população dos municípios que integram a região no combate aos incêndios. É um somatório de esforços no sentido de controlar o quanto antes o fogo e, assim, minimizar os impactos causados à natureza. É preciso também agradecer a rede formada pelas organizações da sociedade civil que se engajaram na atuação para receber doações em favor das brigadas. 

Monitoramento

Para traçar a meta de trabalho dos 148 combatentes que atuam na APA de Pouso Alto e no PNCV, um mecanismo fundamental, como destaca a Semad, é a sala de monitoramento, que funciona dentro da Defesa Civil estadual. O local oferece suporte frente a desastres ambientais, a exemplo de enchentes e queimadas, e também promove articulação com outros órgãos na tomada de decisões e compartilhamento de informações.

No caso específico do monitoramento quanto ao surgimento de focos de incêndio, militares trabalham 24h por dia no acompanhamento de imagens de satélite e também em observância ao site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Na sala, também são criados mapas georreferenciados operacionais, que têm a função de auxiliar os combatentes em campo.  

Prevenção

Trabalho de orientação da Semad realizado junto às propriedades rurais situadas na Área de Proteção Ambiental (APA) de Pouso Alto, que vem sendo desenvolvido preventivamente, impediu que incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PNCV) alcançasse proporções ainda maiores. Por meio da Instrução Normativa nº 05/2020, o Estado estabeleceu os critérios necessários para a implantação de aceiros. 

Segundo o texto, a formação de aceiros compreende a supressão de parte da vegetação, inclusive nativa, com uso de maquinário ou com emprego do fogo, com o objetivo de impedir a propagação de incêndios. A Instrução Normativa também estabelece como prazo final para a realização dos procedimentos utilizando fogo o dia 20 de julho de 2020, com uso de maquinários até 30 de agosto do mesmo ano.

Com base no texto da IN 05, a Semad elaborou um guia para os proprietários rurais e autoridades públicas como forma de orientar a preparação da documentação e também a execução do plano. Além disso, como lembra a secretária Andréa Vulcanis, a pasta disponibilizou técnicos e brigadistas da Organização Não Governamental (ONG) Aliança da Terra para auxiliaram na emissão das autorizações e na confecção doa aceiros.

Situação atual

De acordo com boletim informativo acerca da situação dos incêndios na região da Chapada dos Veadeiros, atualizado nesta segunda-feira (05/10), a frente principal que avançava na área do Rio Preto está controlada, porém o fogo segue avançando lentamente na área da serra de Santana. Ainda, na tarde deste domingo um novo foco surgiu na área nova do PNCV, na localidade denominada Baliza. 

As ações de combate continuaram a ser empregadas nas regiões dos saltos do Rio Preto, povoado da Capela e Mulungu/Morro do Ministro. O fogo foi extinto na região dos Saltos, um dos principais atrativos do Parque Nacional e, assim, parte do efetivo já iniciou os combates na área da Baliza. 

Vale ressaltar que o combate aéreo já realizou 128 lançamentos, empregando 236 mil litros de água sobre as áreas com focos de incêndios. Os recursos envolvidos englobaram 148 pessoas, 24 veículos e cinco aeronaves pertencentes as seguintes instituições: ICMBio, Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás(CBMGO), PrevFogo/Ibama, Rede Contrafogo e Semad.

Importante registrar o envolvimento da comunidade da região no combate, com a participação de moradores de forma voluntária e apoio de empresários. Parte do efetivo permaneceu em vigilância e combate no período noturno na região do rio Preto e na APA do Pouso Alto.