Em inauguração de PCH, Andréa Vulcanis elogia construção de escada de peixes, iniciativa que garante reprodução de espécies aquáticas

Conforme conta a secretária, com a construção da barragem, caso não fosse feita a estrutura, a subida das espécies para a desova estaria comprometida. O tema, de grande importância, converge com o período de Defeso da Piracema, que segue desde o dia 1º de novembro até 28 de fevereiro de 2021

 

Nesta quarta-feira (11/11) a titular da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Andréa Vulcanis, esteve no município de Cristalina, ocasião em que participou da inauguração da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Tamboril. No local, visitou parte do empreendimento, uma escada de peixes, que possibilita a migração das espécies rio acima e, com isso, contribui com a reprodução dos diversos peixes que ocorrem na região.

Conforme conta a secretária, com a construção da barragem para o funcionamento da PCH, caso não fosse feita a escada, a subida das espécies para a desova estaria comprometida. O tema, de grande importância, converge com o período de Defeso da Piracema, que segue desde o dia 1º de novembro até 28 de fevereiro de 2021.

Nesse espaço de tempo fica proibida a pesca em rios e lagos de todo o Estado de Goiás, como conta o superintendente de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável da Semad, Robson Dizarz. “A Secretaria vai intensificar as ações de fiscalização com o objetivo de assegurar a manutenção da reprodução das espécies”, conta.

Segundo a equipe técnica da São Bartolomeu Geradora de Energia Renovável, responsável pela construção da PCH em Cristalina, a manutenção do processo de reprodução das espécies é uma preocupação da área de engenharia da empresa. E lembra que existem muitos empreendimentos desse tipo que são erguidos em todas as partes do Brasil e que não têm esse comprometimento.

Piracema 

Durante o período de Defeso da Piracema, estabelecido pela Instrução Normativa 02/2020, as pescas esportivas, pesca amadora, subaquática, ornamental e artesanal estão proibidas em todas as bacias hidrográficas do Estado. Também estão proibidos quaisquer tipos de competição ou evento esportivo ligado à pesca.

Conforma ressalta a secretária Andréa Vulcanis, os quatro meses de defeso são primordiais para a reprodução da fauna aquática, preservação das espécies e manutenção dos estoques pesqueiros. Ela conta que é preciso conscientização da sociedade durante o período.

“Além do aspecto ecológico e ambiental da proteção das espécies aquáticas, que é nossa obrigação enquanto sociedade, os rios são fonte de alimento e renda para milhares de famílias goianas. Sem o respeito ao período de reprodução esta cadeia sustentável é quebrada e enfrentamos o desequilíbrio e a escassez”, afirma.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.